sexta-feira, 3 de março de 2017

Estátua dos Irmãos Orantes



 Em 8tubro de 2013 recebo uma mensagem da amiga Mariana Garcia de que uma estátua de mármore do Cemitério Municipal havia sido vandalizada e que recolhera os pedaços na esperança de recuperação, já que é muito bonita e única, inclusive bastante fotografada e estudada na vertente da arte cemiterial.
Mas afinal a quem homenageava a centenária e tão bela escultura?
Na parte antiga do terceiro cemitério da cidade de Santo Antônio da Patrulha, inaugurado em abril de 1884, perto da Cruz das Almas encontra-se o túmulo dos irmãos que na lápide diz:
   
    " FELECÍSSIMO SOARES
          Nasc.a 2 de Outubro de 1907
          Fall. a 4 de Fevereiro de 1908
      ENEDINA SOARES
          Nasc. a 12 de Março de 1909
          Fall. a 5 de Outubro do mesmo anno
     Filhos de Marcellino Soares Netto
     Saudades de seus paes"
     


Estátua ainda intacta no lugar há mais de cem anos, em fotos de 2012.
Fotos e recorte: Marcelo Fernandes

Marcellino Soares Netto, o pai do casal, nasceu em Gravataí em 2 de junho de 1877 e os primeiros registros que o mencionam datam de 25 de novembro de 1907, na edição nº 274 do Jornal A Federação, página 2, com a nota: Santo Antônio da Patrulha- O "Club Júlio de Castilhos" em sessão magna data, congratula-se convosco- Marcelino Soares Neto, Presidente.(Sic)
Em 1911 quando já possuía o Hotel Bela Vista, que pertencera ao sogro, Felicíssimo Flores de Jesus, (sobrado colonial provavelmente da primeira metade do século XIX) houve a necessidade de uma reforma geral em virtude de um outro sobrado contíguo ter sido demolido e afetado o antigo prédio que assim foi "modernizado" com técnicas e usos da época.


O Sr. Marcellino Soares Netto(primeiro sentado da direita pra esquerda) junto a importantes integrantes da sociedade Patrulhense.
Imagem cedida por: Renato José Lopes


Hotel Bela Vista em 1905, numa ilustração de Almanaque;
Imagem cedida por: Jorge Luis Stocker Jr.


Hotel depois da "modernização" em 1911
Esse prédio foi demolido em meados dos anos 70 e no local hoje encontra-se a Galeria Kury e já abrigou o Fórum por muitos anos, a localização é Marechal Floriano esquina com Maurício Cardoso.
Imagem cedida por: Henrique Reis Grandini

Marcellino Soares Netto era conhecido como Ciloca Soares e era casado com Anna Gomes de Jesus, a Nica do Sobrado, mãe do casal; nasceu em santo Antônio em 12 de janeiro de 1877 e faleceu em 2 de março de 1982, em Niterói-RJ.
Ciloca Soares foi festeiro do Divino em 1912 e de Santo Antônio em 1923, ano que foi vice presidente da comissão que retomou as obras da Igreja Matriz e conforme Ata, esteve presente na inauguração da primeira agência bancária no município, em 1919.
Seu ofício era de Coletor Federal desde 1910 e foi exonerado, por motivos políticos em 31 de maio de 1933, pertencia ao Partido Republicano Liberal-" Foi dos primeiros a filiar-se" segundo Flores da Cunha em carta pedindo sua recolocação no cargo(havia sido trocado por Luis Saraiva Gomes que atacou a Intendência na Revolução de 1923, o qual Marcellino fez parte da comitiva de resposta da impossibilidade de rendição por parte do Cel. Paulo Maciel de Moraes, Intendente à época).
Foi enviado para Vitória, no Espírito Santo e, algum tempo depois, para a Coletoria de Arroio Grande-RS e finalmente para Porto Alegre onde se aposentou e faleceu em 24 de março de 1941.

Até hoje a mais que centenária obra está segura, recuperada(2014/15) e guardada desde 2013 a espera de uma decisão se volta pro lugar original, ou quem sabe uma cópia..

Colaboraram: Renato José Lopes e Cel. Clóvis Antônio Soares
Pesquisa: Biblioteca Nacional (Hemeroteca Digital Brasileira), Reminiscências de Minha Terra Santo Antônio da Patrulha de Juca Maciel. Raízes Santo Antônio da Patrulha Re-Conhecendo sua História.
À Mariana Garcia pela sensibilidade em recolhê-la


Assim ficou a estátua depois de vandalizada.
 
Parte de trás antes de higienização
Seleção e higienização dos pedaços





Montagem e colagem dos pedaços, num verdadeiro quebra cabeças gratificante. Dois meses depois voltei ao local para procurar algumas partes faltantes e para surpresa minha lá estavam.
 Usei pó de mármore com resina para aproximar o máximo possível da tonalidade original


 
                                                        Obra totalmente remontada

                                                             
                                                            Fotos: Marcelo Fernandes.

6 comentários:

  1. Parabéns Marcelo! Não somente pelo teu texto (maravilhoso por sinal) mas esse verdadeiro trabalho pela história dá nossa cidade. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado amigos e assim que for surgindo mais informações, vou acrescentando.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo! Parabéns pelo artístico trabalho e pelo resgate de parte da história de nossa cidade.

    ResponderExcluir
  4. Perfeito, bela história . Gostaria de saber se o monumento já voltou para seu local de origem, o cemitério?

    ResponderExcluir